13ª rodada confirma chaveamento das seleções na disputa pelo título da CEA

A última rodada da Copa Entre Amigos – CEA 2018 definiu o chaveamento das seleções que disputaram a fase quartas de final da competição. Camarões recebe o País de Gales; Eslovênia encara o Qatar; Itália enfrenta a Irlanda e Hong Kong duela diante da Nova Zelândia.

Na rodada final, se viu poucas surpresas, nos quais as seleções favoritas confirmaram sua qualidade, vencendo seus jogos. Destaque ficou por conta da vitória de Qatar diante do País de Gales, por 10 a 5, onde teve um gostinho especial, já que a seleção Asiática foi considerada por um atleta Galês como uma equipe ‘esforçada’.

Segue a matéria abaixo

Paraguai 4 x 13 Camarões

Na quadra principal, Paraguai e Camarões faziam uma partida estilo fim de festa. Os Paraguaios queriam encerrar sua participação ganhando do líder da competição, enquanto os Africanos buscavam manter a liderança no torneio. O jogo teve um início bem estudado e com poucas chances a meta dos arqueiros, entretanto conforme o desenrolar da partida, a equipe Camaronesa mostrou porque era líder, abrindo o placar aos 6 minutos com Taborda e ampliando dois minutos depois com Coxinha. “Salbego ainda deu esperanças para a equipe da ‘Muamba” diminuindo o marcador, porém novamente Coxinha deixou a vantagem em dois tentos. Parecia lógico que os Africanos iriam golear, tamanha a superioridade entre as seleções. Não demorou para o placar ficar ainda mais elástico com os gols de Caco 2x e do artilheiro Fernando, fechando a primeira etapa em 6 a 1.

A segunda etapa parecia que daria uma animada, pois logo há um minuto, Salbego num belo gol de fora da área diminuiu a vantagem na partida. Camarões então fez o mesmo. Caco, percebendo o goleiro Feitosa adiantado marcou um golaço, deixando a vantagem em cinco gols. Passados mais dez minutos, o duelo caiu de produção. Foi aí que o Africano Fernando e o Paraguaio Dan entraram em comum acordo, para fazerem seus gols “cara, eu estou precisando e você também”. E assim o feito. Fernando 2x e Dan 2x marcaram na partida. Os arqueiros das seleções não gostaram de tomar gols pedindo para os atletas jogarem sério. Então, os Africanos fizeram o que foi solicitado, fazendo mais quatro tentos, sendo três de Fernando e um de Matheus, primeiro dele no torneio, encerrando a partida em 13 a 4. O triunfo deixou Camarões na liderança da competição com 31 pontos, enquanto que o Paraguai encerra sua participação na 11ª posição com 7 tentos.

Opinião: Partida bem jogada, porém com um final já previsto: vitória Africana. A seleção de Camarões, o duelo serviu para mostrar a equipe, seus prós e contras (não serão mencionados para as equipes adversárias) pensando no duelo frente ao País de Gales. Para o lado Paraguaio, a equipe conseguiu o que pode, sempre jogando com raça. Os desfalques e as lesões atrapalharam muito o rendimento da equipe. Fato curioso na partida foi o gol literalmente ‘roubado’ do atleta Fernando, que sem nenhum pudor, tirou o triplete de Coxinha (música no fantástico já estava pronta). O que os atacantes não fazem pela artilharia.

Nova Zelândia 7 x 4 Eslovênia

Na quadra 2, uma partida de grande interesse por várias equipes: Nova Zelândia e Eslovênia se enfrentavam já pensando na fase mata-mata, onde, quem saísse vitorioso teria um motivo a mais para vibrar. Os Neozelandeses marcaram logo aos 2 minutos com Salgado, mostrando que não estavam para brincadeira. Os Eslovenos então partiram para o abafa, no qual criam chances de empatar. De tanto insistirem, Allison, artilheiro do CEA resolveu aparecer e aos 8 minutos empatou a partida no seu estilo. Assim, o embate ficou num equilíbrio que só duas grandes seleções conseguem fazer, onde uma piscada errada poderia ser fatal. Foi assim que os Pretos abriram vantagem… Bastaram dois cochilos dos Azuis para a seleção abrir vantagem em dois tentos, marcados por Edson Tanque e Tevez. Allishow não queria perder os Neozelandeses de sua visão, diminuindo o placar, porem Tanque, que parecia estar num dia iluminado pôs novamente a vantagem em dois gols, deixando o resultado na primeira etapa em 4 a 2.

Veio o segundo tempo e logo de cara a Nova Zelândia faz mais um tento, com Destro ampliando a diferença no placar. A vantagem aumentou ainda mais quando Tevez fez mais um cinco minutos depois, abrindo quatro tentos de distância. Parecia que a Eslovênia não teria forças para uma reação, mas, quem possui Allison em seu elenco nunca pode duvidar. O craque marcou mais dois gols em três minutos, diminuído a vantagem em 6 a 4. Porem do outro lado também havia um craque que resolve partidas e um minuto depois, Tevez marcou, deixando a vantagem em três gols. Ainda restavam 15 minutos e a torcida estava empolgada com os capítulos finais desta historia. Mas aí as equipes resolveram seguir o protocolo do “prefiro não me machucar para não perder a próxima fase”, tornando o jogo morno/chato. Emoção mesmo só veio no último minuto, quando o arqueiro Alex resolveu pistolar sua equipe. O atleta que iria tomar um golaço do meio da rua, não pensou duas vezes e meteu a mão na bola para evitar o tento. Porém ele estava fora de sua área e acabou sendo expulso, e desfalque dos Azuis na próxima fase. Resultado final: 7 a 4. Mesmo com o tropeço, a Eslovênia termina a competição na vice-liderança, com 27 pontos. A Nova Zelândia manteve-se na 5ª colocação com 24 tentos.

Opinião: Jogo de muito equilíbrio, mas com leve vantagem Neozelandesa. Se na primeira etapa o duelo seguiu em grande disputa, o segundo tempo foi mais reservado, no qual as seleções se poupavam, pensando na fase quartas de final. Na Nova Zelândia, o destaque fica para seu conjunto que se afina a cada partida, tendo uma base forte para a disputa diante de Hong Kong. Pelo lado da Eslovênia, a próxima fase não será nada fácil: além de encarar o Qatar, detentor da melhor defesa, a seleção perdeu seu arqueiro Alex expulso. Allison novamente terá um grande peso em suas costas.

Escócia 5 x 12 Irlanda

No duelo das 09h, e, na quadra principal, Escócia e Irlanda tinham algo a demonstrar para si mesmo. Os Escoceses buscavam o triunfo para encerrar sua participação numa posição melhor na tabela. Já os Irlandeses queriam a vitória para subir na classificação. Assim, o inicio do embate começou bem disputado onde, com sete minutos jogados já tínhamos um tento para cada lado (Garret para os Escoceses e Vini para a Irlanda). Apesar de vários desfalques, os Rosas mostravam raça, no qual chegaram a estar à frente do placar, onde novamente Garret marcou aos 10 minutos, num tento espetacular, driblando eu, você, o time da Irlanda, juiz e até o público presente na Cancun. Porém os Verdes não se abateram e cinco minutos depois, Baiak empatou o marcador, deixando o placar em igualdade. Nos 10 minutos finais, muita luta, grandes chances desperdiçadas e resultado final de 2 a 2.

Na segunda etapa, a Escócia que ao longo do torneio ficou conhecida como a seleção soninho por conta dos seus cochilos não queria perder sua majestade na última rodada. Ao som de “Nana neném, que a Irlanda vai marcar, Badaz nem tocou na bola, muito menos foi jogar” os Escoceses dormiram em quadra, tomando quatro tentos em três minutos. Apesar disso, a equipe não desanimou, acordando do sono e marcando duas vezes, uma com Badaz (ele foi) e outra com Weslley. Mas, o apagão esta no sangue Escocês e mais quatro tentos foram tomados em quatro minutos, sendo dois de Vini, no qual a Irlanda já vencia com uma vantagem de seis gols. A partir daí, o duelo foi fim de feira. Um tento dos Rosas e mais dois dos Verdes decretaram o resultado de 12 a 5. A vitória coloca a Irlanda na 6ª colocação com 21 pontos. A Escócia termina em 12º lugar com apenas 6 tentos.

Opinião: Um primeiro tempo surpreendente e uma segunda etapa previsível. Assim foi Escócia e Irlanda. Os Escoceses demostraram que a principal falha da equipe conseguir o resultado foram os apagões durante os jogos, além da falta de atletas. Pelo lado Irlandês algumas coisas devem ser ajustadas para a fase mata-mata, porém o retorno de Vinicius foi fundamental para a equipe que terá um difícil duelo frente à Itália. Será a… bom vamos aguardar o que as seleções tem a nos mostrar.

Holanda 18 x 5 Ucrânia

Na quadra 2, Holanda e Ucrânia, já eliminadas realizavam um embate sem muitas expectativas. Porém o duelo trouxe algumas surpresas a serem vistas. A partida mal havia começado quando DJ abriu o marcador para os Holandeses. Sinônimo de goleada? Que nada. A resposta Ucraniana veio com dois tentos relâmpagos, sendo de Pigor e Edu, virando a partida. Os Amarelos seguiam aguentando a pressão da Holanda até que… Chegou um momento que não deu. Sete gols seguindo da Laranja Mecânica, sendo quatro em apenas um minuto são pra derrubar qualquer equipe. Só Moser, ou podem chamar de Robben da CEA marcou quatro tentos. A Ucrânia tentava de todas as formas diminuírem o duelo, porém não imaginava que Wellington (sim, a Holanda estava sem seu goleiro) havia feito um curso de goleiro por um dia, no qual não deixava passar nada. Assim, o jogo terminou com o placar estava em 8 a 2.

Na segunda etapa, os Ucranianos estavam dispostos a diminuir esta larga vantagem. Gritos de guerra, sangue no olho ‘não passarão!’ e foco de determinação era visto no semblante dos Amarelos. Início de jogo, chute, defesa, rebote, defesa, escanteio, defesa, defesa e… Gol da Holanda. De novo: chute, defesa, rebote, defesa, escanteio, defesa, defesa e… Gol da Holanda (repita 3x). Nessa hora, bateu o cansaço/desanimo da Ucrânia que resolveu apenas curtir o restante de campeonato, tentado, seus tentos, tomando gols, perdendo gols e assim por diante. Os Holandeses buscavam marcar tentos para e também aproveitar os minutos finais do torneio. Moser foi o quem mais comemorou, marcando 8 gols. No fim, o resultado foi de 18 a 5. Vitória encerrou a participação da Holanda na 9ª posição com 11 pontos. A Ucrânia termina em 10º lugar com 9 tentos.

Opinião: Jogo de encerramento de campeonato, mas com boas surpresas. Uma delas foi o grande campeonato realizado por Moser, que após um ano apagado, voltou a brilhar no torneio, sendo o artilheiro de sua equipe com 32 gols. A outra foi a grande partida feita por Wellington atuando como goleiro e evitando as muitas oportunidades criadas pela Ucrânia. As seleções encerraram sua participação de forma bacana: com gols.

Itália 9 x 7 Hong Kong

Na partida da Tv, um grande jogo nos aguardava. Itália e Hong Kong faziam uma prévia do que seria a fase mata-mata. Não por acaso, a partida teve um início muito estudado, com poucas oportunidades de gol, no qual nenhuma das equipes queria dar ‘sopa para o azar’. Conforme foi passando o tempo, as seleções iam se soltando e aos 10 minutos veio o primeiro tento da partida, nos pés de Luan Santana, fazendo para a Itália. Os Asiáticos não deixaram por menos e em cinco minutos viraram a partida, Albano (sempre ele) deixou sua marca em duas oportunidades. Só que nem deu tempo de comemorar, pois um minuto depois o arqueiro Danrlei empatou o duelo ao seu estilo: chute forte de fora da área. Faltando cinco minutos para o fim, o embate era bem disputado, onde cada seleção marcou mais um tento cada no mesmo minuto, Pacholek para os Vermelhos e Hélio para a Azurra. Parecia que a primeira etapa acabaria empatada, mas, o craque Asiático Albano apareceu e no último minuto marcou para Hong Kong, fechando o tempo inicial em 4 a 3.

Na segunda tapa, a Itália tinha seu craque Digol de volta às quadras, após cumprir suspensão, porém o duelo seguiu equilibrado até os 7 minutos quando Pacholek ampliou o marcador para Hong Kong. A partir daí, a Itália se viu obrigada a partir ao ataque dando espaços para os contragolpes Asiáticos.  Maurício aumentou a vantagem em três gols, faltando 12 minutos, no qual tinha tudo para ser tranquilo a partir deste tento. Porém os Italianos têm como premissa jamais desistir do jogo e isto foi comprovado em diversos embates. Assim, começou a força Avante Azurra, saindo dos pés de Marcos, passando três minutos depois com Digol, empatando a peleja com Gui Zulatto e virando com o goleiro Danrlei. Seis minutos de um trator Italiano. Mais dois minutos e Digol ampliou a vantagem, que foi rapidamente respondida por Albano de Hong Kong, diminuindo a partida em um tento faltando dois minutos para o fim. Só que a manhã era Italiana e Hélio faltando um minuto abriu nova vantagem (a essa altura, Robson, arqueiro de Hong Kong, já não pulava nas bolas devido ao choque com o atleta da Azurra) e decretando a incrível virada dos Azuis por 9 a 7. Resultado põe a Itália na 3ª colocação com 27 pontos, ultrapassando o próprio Hong Kong que fica na 4ª posição com 25 tentos.

Opinião: coisa linda esta partida entre Itália e Hong Kong. Mais uma daqueles duelos com o selo CEA de qualidade. Destaque para a seleção Azurra que mais uma vez mostra força mesmo quando o placar parece estar definido. O motivo é simples, porém não vamos informar para que a equipe adversária não jogue no seu erro. Aliás, a seleção terá um grande duelo diante da Irlanda. Já os Asiático, a partida serviu para correções de erros que não podem ser cometidos na fase das quartas de final, até porque, tem pela frente a Nova Zelândia que vem subindo de produção. A baixa fica por conta do goleiro Robson, que sofreu uma fratura no quinto metacarpo do adutor do pai de todos (resumindo: quebrou o dedão) e está fora do torneio. A seleção de Hong Kong está tomando as medidas cabíveis para a substituição do atleta. Força Barba!

Qatar 10 x 5 País de Gales

Fechando o ciclo de partidas da primeira fase e consequentemente a última rodada, Qatar e País de Gales entravam em quadra querendo o triunfo para não cruzar com o líder Camarões. Além disso, as seleções queriam demonstrar que pode ir mais longe à competição, apesar dos Árabes ser apenas uma equipe ‘esforçada’. O duelo, assim como os demais teve um início de muito equilíbrio, com poucas chances reais de gol. Aos 4 minutos, o Galês Wellington não desperdiçou a oportunidade, abrindo o placar, porém, pouco comemorado, pois dois minutos depois, Cleverson dos Roxos empatou o duelo. Passados mais alguns minutos, Wellington deu novamente a vantagem no marcador para os Cinzas que desta vez, seguraram a vitória. Entretanto ainda restavam cinco minutos e Regi, The Legend tratou de entrar na partida. Após uma lambreta mal executada (pífia por sinal), o artilheiro do povo não desperdiçou sua chance, igualando o duelo e colocando um ponto final na primeira etapa. 2 a 2.

Veio o segundo tempo e com ele um novo Qatar, que passou de esforçados para letais. Bastaram três minutos para os Árabes abrirem três de vantagem, sendo dois tentos de Burmann que estava ‘On Fire’. Marcelinho ainda diminuiu dois minutos depois, dando novo ânimo ao País de Gales, só que Burmann quebrou esta animação marcando mais um tento para os Roxos. Passados cinco minutos, Inho numa paulada de fora da área (arrancou até um espanto do juiz, tamanha a pancada no ângulo), trouxe os Galeses novamente ao embate. Mas, Binho, Carlão e Regi, não quiseram que os Cinzas se animassem, abrindo cinco tentos de vantagem para os Árabes. No fim, um tento de Lucas para Gales e outro de Marcola (primeiro dele no torneio, após 350 jogos pela seleção) para os Roxos decretaram o resultado em 10 a 5. Ao final do embate, o atleta Galês Marcelinho teve que aguentar as respostas dos jogadores Asiáticos que gritavam “Uhl é esforçado!” por conta do que havia dito na ocasião, que a seleção do Qatar era apenas ‘esforçada’. A vitória deixou o Qatar na 7ª colocação com 20 pontos, deixando o País de Gales na 8ª colocação com 19 tentos.

Opinião: Um grande duelo para coroar a primeira fase da CEA, já projetando a fase de quartas de final. No apanhado geral da partida, tanto Qatar como País de Gales demonstraram que tem um elenco forte para as disputas do mata-mata, mas também tem seus defeitos. Os Asiáticos terão que parar um homem chamado Allison da Eslovênia. Já os Galeses enfrentam o melhor ataque do torneio: Camarões de Fernando e Cia. Enfim, promessa de grandes duelos a partir daqui.

Paraguai realiza os Espetinhos à Cavalo e anima o público

Após o término da ultima rodada, a tradicional confraternização CEA não poderia deixar de faltar. Desta vez, o churrasco, ou melhor, os espetinhos ficaram a cargo da seleção Paraguaia. Como é de costume, o menu vinha com o prato principal (espeto de vários sabores) além de pão de alho e salada.

O destaque do cardápio ficava por conta dos espetinhos a cavalo paraguaio, que lembrava muito a equipe (infelizmente não temos imagens para descrever). Os convidados ainda puderam debater sobre os próximos confrontos da competição, e destacar a equipe favorita ao titulo deste ano. Uma boa pedida para um sábado de sol.

Comentários

Comentários